Brasão ImperadorRepública Velha é o nome dado ao período que vai desde a Proclamação da República até o início da Era Vargas com a Revolução de 1930. A largada desse novo modelo de Brasil, saído da monarquia constitucional parlamentarista e passando para novos rumos, se deu a partir da manifestação militar do Exército, na Praça da Aclamação, no Rio de Janeiro.

Liderados por Marechal Deodoro da Fonseca, proclamaram o sistema republicano no Brasil. Fazia parte da equipe do mais novo presidente: Benjamin Constant, Quintino Bocaiuva, Rui Barbosa, Campos Sales, Aristides Lobo, Demétrio Ribeiro e Eduardo Wandenkolk. Todos os componentes eram integrantes da maçonaria.

Antes mesmo da mudança de sistema político, o presidente do Conselhos de Ministros do Império, Afonso Celso de Assis Figueiredo, o Visconde de Ouro Preto, tentou apresentar uma proposta de reforma política, que desse continuidade ao modelo monárquico com alterações, das quais tinha: liberdade de voto, mais autonomia para as províncias, liberdade de ensino e etc. Porém, tarde demais. A Câmara Geral havia vetou o projeto e destronou D. Pedro II: o fim do Segundo Reinado.

Um dos fatores de grande peso para a proclamação da república foi a descendência do nosso regente. Não possuía filhos do sexo masculino, sua herdeira primogênita era a princesa Isabel de Bragança. Casada com o conde francês Gastão de Orléans, o Conde d'Eu, seria o possível imperador – pelo fato de ser homem – e isso incomodou os brasileiros. Os argumentos contra a continuidade da monarquia se reforçavam.

O Visconde de Ouro Preto não conseguiu evitar o avanço da república. O apoio dos negros na Guerra do Paraguai e o prosseguimento da escravidão acarretaram, também, o descontentamento do povo brasileiro, principalmente os abolicionistas. A princesa Isabel, em 1888, no dia 13 de maio, decretou a abolição da escravatura – estratégia que não sustentou o poder de seu pai.

Os resquícios da Guerra do Paraguai influenciaram na decisão da reforma política. O Brasil acumulou uma dívida de cerca de 20 milhões de libras esterlinas. Resultado disso? A maldita inflação, que assolou a economia do Brasil por longos períodos.

Após essas e outros questões (religiosas, militares, políticas, econômicas), aconteceu, no ano de 1889, a Proclamação da República dos Estados Unidos do Brasil. País esse, que começou a se estruturar. As antigas províncias ganharam mais autonomia, sendo nomeados governadores para tais e, logo, foram elevados ao nível de estado.

Dentre as providências, a Família Real, que chegou em 1808, foi banida do território brasileiro em 1920; porém, mediante ao decreto 4120, a decisão foi revogada. A república ganha nova cara: a bandeira e os demais símbolos da nação foram criados.

Próxima a comemoração do natal, no dia 23 de dezembro de 1889, criou-se, por meio do decreto 85A, a lei da imprensa. A nova lei permitia aos militares fazer triagem do que era publicado. Uma precaução. Havia um jornal que era totalmente parcial e defendia as questões da monarquia. Enfim, estabeleceu-se a ditadura no quesito informação. Os jornais sofreram censura – não por muito tempo – logo, a decisão foi revogada em 1890.

Sucedidos três anos de república, decidiu-se reformar a constituição. A nova carta magna foi feita pelo juris-consultor Ruy Barbosa e baseou-se nas leis norte americanas. Consolidado o novo sistema de governo, o Brasil inicia a República Velha. Essa foi dividida em duas partes: a República da Espada e a Oligárquica.

República da Espada

A República da Espada foi o período em que os militares responsáveis pelo golpe de estado e deposição de D. Pedro, se apoderaram do Brasil, de 1889 a 1894. Devido a problemas de saúde e reveses nas relações com as oligarquias (elites), que acarretou em deixou a presidência nas mãos de seu vice, Floriano Peixoto, conhecido como o Marechal de Ferro. A sua fama era devido à atuação ditatorial, sufocando diversas rebeliões.

Para conseguir apoio e uma possível reeleição, visto que seu mandato já estava no fim, Floriano decidiu reduzir os impostos sobre produtos de necessidades básicas, como alimentos. Ainda assim, Floriano Peixoto sofreu com as revoluções: A Segunda Revolta Armada e a Revolta dos 13 Generais; no entanto, entre seus feitos estão a estatização da moeda, redução de impostos, controle das manifestações antirrepública e censura da imprensa.

A ditadura de Floriano deu fim com a eleição de Prudente de Morais, civil, que iniciou o período da República Oligárquica, em 1894, onde se sucedeu a política do café com leite: poder dividido entre a elite de São Paulo e Minas Gerais.

República Oligárquica

A partir de 1894, com a saída de Floriano e a posse de Prudente de Morais, as elites paulista e mineira tomaram conta do país, na chamada política café com leite. Mas os militares não se afastaram do poder. Logo conquistaram a presidência com o Marechal Hermes da Fonseca, em 1910. O mandato dele durou os exatos quatro anos.

A República Oligárquica consolidou-se de fato apenas no ano de 1898, com o presidente Campos Sales. Paulistas e mineiros estavam no domínio, com uma leve influência gaúcha, por intermédio de Pinheiro Salgado, senador do estado. Morreu e a influência dos sulistas diminui, voltando apenas com a reunificação dos partidos PRR (Partido Republicano Rio Grandense) e o Partido Libertador, por meio de Getúlio Dorneles Vargas.

Com a posse de Hermes da Fonseca à presidência (1910-1914), se deslancharam diversos conflitos nos estados; obrigatoriamente, houve intervenções federais, que derrubou os governadores, exceto o de São Paulo. Nesse tempo, existiam nos estados um intermediador entre o povo e o governo: os coronéis.

O Ciclo da Borracha e o Convênio de Taubaté foram importantes épocas do contexto da República Velha. Por muitos anos, a economia brasileira estava centrada na produção e exportação do café; todavia, durou até o ano de 1929, quando a Bolsa de Valores de Nova Iorque quebrou: início da Crise de 29. A borracha também rendeu lucros ao povo brasileiro, entre 1890 e 1920. O produto amazônico se tornou matéria prima para diversos segmentos do comércio, entre eles, os pneus, luvas, solas de sapato, pisos e etc.

Enfim, a República Oligárquica acabou com a quase posse do paulista Júlio Prestes, que foi impedido pela Junta Militar do Governo Provisório. Ela indicou Getúlio Vargas como presidente, em 3 de novembro de 1930. Esse ato foi chamado de Revolução de 1930. Prestes foi exilado no mesmo ano.

A República Velha contou com 13 presidentes ao todo. O primeiro foi o Marechal Manuel Deodoro da Fonseca, entre 1889 e 1891, e terminou com Washington Luís, entre 1926 e 1930.

Topo